Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2009

Entrevista com David Pérez

Imagem
Nascido em Alcalá de Guadaíra, o Bailaor David Pérez possui dois prêmios importantes no currículo: Desplante, do Festival de Cante de Las Minas de La Unión (2004) e Jovenes Flamencos de Andalucía, concedido pela Federação de Entidades Flamencas (2006).

Desde 2001 tem se apresentado pela Europa, Ásia, América Central e Estados Unidos. Também dividiu o palco em vários espetáculos com símbolos do flamenco como Manuela Carrasco e Rafael Campallo. Agora em 2009, participou do Festival de Jerez no Ciclo Los Novísimos.

Em outubro de 2009, David gentilmente concedeu uma entrevista à repórter Giovana Teles, aluna e monitora da Oficina Flamenca. Além de dar uma visão clara e atualizada sobre o panorama flamenco na Espanha, o bailaor falou também de suas influências e sobre como é possível "viver" o flamenco mesmo morando longe da Espanha.


Confira abaixo alguns trechos destacados da conversa e acesse a entrevista completa aqui.

"Trabajar en España es seguir defendiendo lo que haces …

Antonio Canales

Antonio Canales é um dos grandes bailaores da atualidade. Há quem goste e há quem o considere meio "over" nas performances! De todo modo, além de dançar maravilhosamente bem, ele acabou se tornando referência e fonte de inspiração para muitos artistas flamencos contemporâneos.

O vídeo a seguir conta um pouco de sua vida. Vale a pena assistir, pois ele é muito simpático durante a entrevista! Os clipes seguintes dão uma pequena idéia de como ele foi transformando seu baile com o passar dos anos.

Só uma observação: há alguns anos, Antonio Canales esteve em Brasília, apresentando-se no Teatro Nacional. Foi um espetáculo maravilhoso!










José Galván

José Galván é um grande bailaor, pai de duas figuras muito emblemáticas do flamenco atual: Israel e Pastora Galván.

Em entrevista ao DeFlamenco, José Galván fala sua formação e experiência profissional, sobre seus filhos e sobre o flamenco nos dias de hoje.

Selecionamos aqui algumas frases super interessantes, mas recomendamos a leitura da entrevista completa, pois é imperdível!

Sobre o flamenco....
"Hoy veo muchas imitaciones, poca singularidad… mucha gente repetida."

Sobre suas referências artísticas...
"Mi punto de mira siempre fue Farruco, ahí es donde me miraba, trabajé mucho con él en 'La Cochera'. Yo me quedaba embobado mirándolo bailar y creo que el aire se lo cogí. Los pies por mucho que miraba no los cogía y es que era un hombre muy rápido."

Sobre sua filha, Pastora Galván...
"A mi me gustaría que Pastora siguiera en su línea, me refiero a su lado más flamenco y gitano y que no caiga en querer hacer las cosas al estilo de su hermano."

Sobre s…

Rafael Campallo

Dispensa comentários.... Simplesmente um dos melhores bailaores da atualidade!

Classificação dos Palos

Imagem
Os Palos Flamencos
No Flamenco podemos listar cerca de quarentas tipos de cantes (palos), muitos dos quais com muitas outras variações. Estudos mostram que no conjunto da arte flamenca, é possível falar em mais de 500 cantes.

Porém, apesar no grande número de cantes, é possível apresentar, para fins de estudos, alguns tipos de classificações utilizadas por especialistas. Essas classificações podem levar em consideração fatores como história, origem, região, estrutura rítmica, entre outros.
Uma forma bastante simples de classificar os palos flamencos é agrupá-los em:
Cante Jondo ou grande: estilo flamenco que está ligado à dor, lamento, amor, tristeza e morte. Engloba música e dança de caráter solene, de extrema gravidade, carregada até mesmo de uma certa fatalidade. Nesse estilo, se encontram as formas musicais mais antigas do flamenco, como as Soleares, as Siguiryas, os Martinetes.
Cante Chico: Danças mais leves, picantes, alegres e sedutoras, como as Sevillanas, as Alegrias, Buleri…

Nomes do Flamenco - Merche Esmeralda

Merche Esmeralda (Sevilha, 1947)

Iniciou no cante e no baile ainda criança, na academia sevilhana de Adelita Domingo. Profissionalizou-se como bailarina em espetáculos de baile clássico espanhol. Ao mesmo tempo, estreou como bailaora nos tablados Duende (Madri) e El Guajiro (Sevilha). Passou por todos os festivais flamencos andaluzes e recebeu diversos prêmios, entre eles o Prêmio Nacional de Baile no Concurso Nacional de Córdoba, em 1968 e o título de Dama da Orden Jonda y Catedrática de Flamencología em Jerez de la Frontera.
Com um baile extremamente feminino, cheio de voltas quebradas e movimentos de braços levíssimos, imprimiu um estilo próprio ao flamenco. Já dançaram em espetáculos montados por Merche Esmeralda artistas famosos como Sara Baras, Eva Yerbabuena, Rafael Campallo, Adela Campallo, Manolo Marin e Javier Baron.

“Todo mundo quer bailar igual, mas não é possível porque não somos iguais”.
(Merche Esmeralda)